“O Homem Invisível” é um excelente retrato do abuso velado feito por narcisistas

0
55

Filme mostra a essência do “gaslighting”, cujo objetivo é enlouquecer a vítima

– por André Lux

É bem interessante esta nova leitura do clássico “O Homem Invisível”, baseada na obra de H.G. Wells, e que já teve inúmeras versões para o cinema. A novidade é transformar o invisível em um abusador violento e neste sentido o filme torna-se um excelente retrato das pessoas que sofrem de Transtorno de Personalidade Narcisista, uma espécie de psicopatia que pode levar os outros literalmente à loucura, especialmente no uso do “gaslighting” que é uma forma de abuso psicológico no qual informações são distorcidas, seletivamente omitidas para favorecer o abusador ou simplesmente inventadas com a intenção de fazer a vítima duvidar de sua própria memória, percepção e sanidade.

O longa começa de forma exemplar e muito bem construída, onde tudo que precisa ser estabelecido em relação ao tema principal é dito sem qualquer diálogo, apenas música e efeitos sonoros, em uma agoniante sequência onde a protagonista tenta escapar da casa de seu namorado. A partir daí o diretor Leigh Whannell escala no suspense construindo tomadas espaçosas onde apenas pequenos detalhes da presença do “Homem Invisível” aparecem (como a cena do fogão).

A protagonista feita pela competente Elisabeth Moss (de “O Conto da Aia”) começa a desconfiar que existe algo errado, mas seu algoz é muito hábil em perturbá-la sem deixar vestígios, o que vai gerando cada vez mais paranoia nela e perturbação nas pessoas à sua volta, que passam a achar que ela está com algum problema mental. Essa é a essência do “gaslighting”, enlouquecer a vítima ao mesmo tempo que faz com que pareça uma pessoa desequilibrada para os outros. Só quem passou por isso sabe o quanto esse tipo de abuso é cruel e destruidor.

O filme só cai um pouco perto do final, quando as revelações são feitas e a ação descamba para perseguições e tiroteios por demais forçados, com os personagens agido fora de suas características. Mesmo assim, “O Homem Invísivel” mantém sua qualidade e tem uma resolução forte e catártica, que certamente vai agradar muito quem já foi vítima de abuso como o mostrado no filme. Dentro do gênero suspense com pitadas de terror, está certamente acima da média.

Cotação:* * *1/2

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here